GOVERNADORES DESTRUÍRAM O MERCADO E IGNORAM DIREITOS HUMANOS COM UM ALARMANTE ENTUSIASMO

Governador de São Paulo, João Dória(PSDB), governador do Maranhão, Flavio Dino(PCdoB) e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel(PSC)

Cinco motivos de terem agido assim

Um cataclismo econômico foi desencadeado no mundo por políticos e burocratas ocidentais. 

Inacreditavelmente, a atividade econômica no Ocidente colapsou. Populações inteiras foram submetidas a algo semelhante a uma ordem de prisão domiciliar, ficando confinadas em suas casas por semanas, se não meses. Como resultado, milhões tiveram suas vidas completamente alteradas. A maioria dos empresários e trabalhadores autônomos teve seus meios de subsistência comprometidos.

economia da UE pode encolher mais de 7%, de acordo com a sempre otimista Comissão Europeia. Na crise de 2009, ela encolheu 4,5%. Já o Banco da Inglaterra fala em 14%Números semelhantes foram previstos para os EUA, cuja economia já perdeu mais de 20 milhões de empregos em um mês.

A devastação econômica imposta sobre as economias ocidentais pelos governos terá consequências por muitos anos vindouros. Ela irá inevitavelmente diminuir a qualidade de vida dos cidadãos por um longo tempo, comprovadamente afetando sua saúde.

É importante entender que esse desastre não é o resultado da pandemia de coronavírus, que é um problema de saúde pública, mas sim da maneira como políticos exaltados e funcionários públicos “excessivamente zelosos” (para dizer o mínimo) reagiram à pandemia. Um número crescente de pesquisadores e profissionais de saúde já afirma abertamente que o número total de casos é muito maior do que se pensava anteriormente, o que significa que o COVID-19 é muito menos mortal do que insistem a mídia e especialistas do governo. 

Se tais pessoas estiveram corretas, essas taxas de letalidade revisadas colocam as mortes por COVID-19 em muitos locais em uma taxa semelhante à da gripe, que mata centenas de milhares de pessoas todos os anos ao redor do mundo, sem provocar nenhuma grande reação política.

Tudo isso nos leva à inevitável pergunta: por que essas extremadas e desproporcionais reações ao vírus por parte dos políticos ocidentais, aniquilando suas economias e reduzindo severamente as fundamentais liberdades individuais de milhões de cidadãos? 

Obviamente, entre os políticos, há a tradicional incompetência e a total propensão a aderirem ao comportamento de manada. Isso é comum entre praticamente todos os políticos de todos os países. Mas existem outras razões para esse comportamento desastroso e irresponsável. Eis algumas.

Cinco razões para o autoritarismo 

Em primeiro lugar, políticos geralmente têm pouco entendimento de como os mercados funcionam. Na esmagadora maioria das vezes, não entendem absolutamente nada de economia.

A maioria dos políticos nunca trabalhou no setor privado ou estudou economia de mercado. Conhecem apenas macetes da engrenagem do setor público e artimanhas sobre como ascender e se dar bem na máquina estatal. Não entendem a complexidade dos mercados e tampouco têm apreço pela maneira como eles tornam possível nosso alto padrão de vida. Essa complexidade inclui um número insondável de transações diárias, inúmeras relações comerciais e uma adaptação sem fim às condições circundantes. Eles realmente não fazem ideia de como tudo isso funciona.

A lógica da política, ademais, determina que os políticos não podem ser vistos como “não fazendo nada”. Políticos sempre têm de aparentar “estar fazendo alguma coisa”, principalmente quando há uma mídia obcecada exigindo que eles façam alguma coisa (mais sobre isso abaixo). Político que não faz nada no meio de algo que é rotulado como “crise” enterrou sua carreira, ainda que tal inação possa ser exatamente a coisa certa a ser feita tendo em vista o longo prazo. 

Isso não é novo; sempre foi uma característica típica de políticos e burocratas. As reações políticas à pandemia de coronavírus confirmaram dramaticamente essa verdade mais uma vez.

Em segundo lugar, e isso é corolário do que foi dito acima, políticos naturalmente fazem cálculos políticos. Por só pensarem em reeleição (ou em novos cargos na máquina pública), eles não querem ser responsabilizados por qualquer coisa que “dê errado”. Em uma crise, eles sempre preferem agir a não agir – isto émostrar que ao menos fizeram alguma coisa. Consequentemente, acreditam que não poderão ser acusados de ociosidade, negligência, miopia ou insensibilidade. 

Por mais deletérias que sejam suas ações, os políticos geralmente não são responsabilizados, e então podem apresentar-se como tendo sido heroicamente firmes em tempos perigosos, agindo com resoluta força e determinação. As políticas econômicas catastróficas dos presidentes Hoover e Roosevelt durante a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial são um exemplo disso.

Terceiro, os políticos às vezes confiam demais em cientistas, que geralmente não têm — e não são obrigados a ter — treinamento em questões sociais. De maneira ainda mais intensa que políticos, os cientistas costumam ter grande dificuldade em compreender o conceito de ordem espontânea do mercado, o que não é surpreendente, uma vez que são seguidores do rigoroso processo científico. As propostas econômicas francamente embaraçosas de Albert Einstein são um exemplo famoso. 

Ao passo que o político ao menos tem total consciência dos sutis tons de cinza na formulação de políticas e do fino equilíbrio entre satisfazer várias partes interessadas, o cientista geralmente tem boas intenções, mas vê o mundo em preto e branco.

Assim, se for perguntado a um cientista como parar a propagação de uma pandemia, ele provavelmente responderá que a melhor e mais eficiente maneira é ordenando o confinamento estrito de toda a população em suas casas por semanas. É isso que o influente “Conseil Scientifique” da França recomendou, e pode muito bem ser verdade de um ponto de vista puramente científico (embora isso agora tenha se tornado totalmente debatível). 

O problema surge quando políticos seguem entusiasticamente essas opiniões sem considerá-las à luz de suas consequências políticas e econômicas. 

As duas primeiras razões mencionadas acima podem explicar por que os políticos tendem a depositar confiança excessiva nos cientistas: políticos não estão familiarizados o suficiente com a economia de mercado para compreender completamente as consequências de agir com base em pareceres puramente científicos, e pode ser do seu interesse agir com base em tais conselhos, já que fazer algo – qualquer coisa – é fundamental.

Uma quarta razão pela qual os políticos agiram de forma tão imprudente para combater a disseminação do COVID-19 é certamente a pressão política sob a qual estão sujeitos. Em tempos de (presumível) crise, um eleitorado inconsciente e politicamente sem instrução se volta a eles em busca de orientação, ou até em busca de ordens para seguir. 

Mas a pressão vem não apenas do povo, o que talvez seja normal em uma democracia, mas também de políticos estrangeiros. Nenhum líder quer ser superado por seus colegas estrangeiros e ser visto como tendo o plano mais fraco para enfrentar a crise. Nesse caso, Boris Johnson, do Reino Unido, reverteu suas políticas, e Stefan Löfvén, da Suécia, vem dando indicações de que irá ceder a algumas pressões externa (embora ainda não o tenha feito, o que é extraordinário).

Mas a pressão mais forte sobre os governos provavelmente vem da mídia, especialmente, nos tempos atuais, da onipresente internet e suas redes sociais. Os políticos agora são constantemente examinados, investigados e responsabilizados, algo que não ocorria com a geração anterior. Escrutinar políticos é essencial, mas sempre há o risco de desdobramentos anti-liberdade.

Além disso, a mídia convencional, voltada para as massa, é propensa a dramatizar e exagerar eventos, pois isso contribui para mais audiência. Mas também porque os jornalistas não são virologistas. A grande mídia geralmente tende simplificar os fatos e interpretá-los erroneamente, de maneira propositada ou não. Um exemplo disso é a taxa de mortalidade do COVID-19, que é constantemente relatada como muito maior do que é, pois apenas casos declarados são usados (a chamada taxa de mortalidade de casos). 

De maneira mais geral, a atitude predominante da mídia é que absolutamente tudo deve ser feito para salvar uma pequena minoria de toda a população, mesmo que isso custe um futuro sofrimento econômico para centenas de milhões de pessoas. 

Este é o clássico dilema socialista e intervencionista: até onde isso vai? Onde tudo isso pára? Em um mundo de recursos escassos, quanto dinheiro do pagador de impostos o estado deve gastar para tentar salvar uma vida (e prejudicar centenas de milhões de outras)?

Por último, é necessário ter uma explicação mais sombria e cínica para a reação política à pandemia: o poder em tempos de crise. 

O estado nunca perde a chance de aumentar seu poder. As crises são consideradas grandes oportunidades políticas e, portanto, têm sido usadas inúmeras vezes na história pelos governantes. Este foi o caso durante e após a Primeira Guerra Mundial e a Segunda Guerra Mundial, bem como após o 11 de setembro, com a aprovação no Congresso da Lei PATRIOT. Mas isso também se aplica a crises menores, como o pânico atual. Os pacotes de estímulo econômico que estão sendo propostos agora beneficiarão novamente os banqueiros corporativistas, como aconteceu durante a crise financeira.

Para concluir 

O fato de a maioria dos governos ocidentais ter decidido imitar a ditadura chinesa ao impor um severo bloqueio da sociedade deve ser um alerta para as almas inocentes que ainda acreditam, mesmo após o julgamento de Julian Assange, que o Ocidente ainda protege a liberdade individual. 

Uma perigosa e assustadora escalada do poder político pode estar a caminho em um sistema econômico já frágil. As consequências políticas do confinamento generalizado de milhões de pessoas terão consequências duradouras no equilíbrio de poder entre estado e sociedade. 

Embora a ordem “democrática liberal” ocidental nunca tenha realmente existido, exceto no nome, é claro que agora foi dado um passo decisivo em direção oposta a ela.

Essa crise econômica, desencadeada por políticos, também poderia levar, esperançosamente, a um entendimento mais claro da população de que mudanças constitucionais são necessárias em muitos países, a fim de limitar os poderes estatais em todos os cantos do globo. Esperemos que esta seja a lição aprendida pelos milhões confinados em suas casas, presos pela vontade arbitrária do estado.

Fonte: Mises Brasil

Por: Richard Corrêa

MORO PODE SER PRESO A QUALQUER MOMENTO!!!

Sergio Moro: O cidadão preocupado com a biografia e com o PSDB. Somente!

Entre os motivos, está a suposta negociação pela indicação ao STF

Um grupo de juristas protocolou uma denúncia contra o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro na Comissão de Ética da Presidência da República. e essa denuncia pode resultar em prisão para esse cidadão da biografia.

Entre os motivos, está a suposta negociação pela indicação ao STF (Supremo Tribunal Federal) que teria ocorrido entre Moro e o presidente Jair Bolsonaro.

O Advogado de Moro já defendeu Cunha e Odebrecht na Lava Jato, Cunha está preso.

“O primeiro dos atos antiéticos ora imputados ao denunciado (Moro) consiste na conduta, suscitada pelo presidente da República, de exigir sua indicação para a vaga de ministro do STF, em troca da continuidade do cargo de ministro de Estado da Justiça.”

A peça, de 21 páginas, cita uma frase dada por Bolsonaro. “Referiu o presidente, como visto, que “o senhor Sergio Moro disse pra mim: ‘você pode trocar o Valeixo, sim, mas em novembro, depois que o senhor me indicar para o STF’”.

A afirmação de Bolsonaro ocorreu após a saída de Moro. Na ocasião, o ex-juiz da Lava Jato afirmou haver interferência política de Bolsonaro na Polícia Federal e, por isso, ocorreu a demissão de Maurício Valeixo, braço direito de Moro e diretor-geral da instituição. Em seguida, Bolsonaro negou interferência e disse que Moro havia condicionado a troca de Valeixo a uma indicação para o STF.

“Como se pode extrair de ambos os trechos, resta evidente que a aceitação e a permanência no cargo de ministro da Justiça foram resultantes de um ajuste entre as duas autoridades que implicaria a indicação do Sr. Sergio Fernando Moro à vaga de ministro do STF decorrente da iminente aposentadoria do ministro Celso de Mello.

Moro concluiu um depoimento de mais de 8 h na sede da PF, em Curitiba e não provou absolutamente nada contra o Presidente Bolsonaro. Cadê as provas que ele tanto falava e provas de quê??? Moro além de traidor e canalha, é mentiroso também!!! Bela Biografia.

Cabe ao presidente da República a indicação de uma cadeira no STF. No caso de Bolsonaro, será duas designações: Mello completa 75 anos em novembro e, a partir daí, sua cadeira está vaga. Depois, em junho de 2021, será a vez de Marco Aurélio Mello.

Para os juristas, Moro também aceitou vantagem ou promessa de vantagem sobre o pagamento de uma pensão à família do ex-ministro caso o próprio morresse durante sua gestão à frente do Ministério da Justiça. “O próprio Moro declarou na entrevista em que externou seu pedido de demissão, afirmou que a única condição que fez foi um pedido de pensão à sua família se algo ruim lhe acontecesse”, diz.

Moro não era ministro, era espião!” Afirma o Deputado Federal Eduardo Bolsonaro

Deputado Federal Eduardo Bolsonaro

Por fim, solicitam a sanção de censura ética a Moro e que as conclusões do procedimento sejam enviadas ao MPF (Ministério Público Federal).

O documento é assinado pelos advogados Celso Antônio Bandeira de Mello, Lenio Luiz Streck, Caroline Proner, Marcelo da Costa Pinto Neves, José Geraldo de Souza Junior, Kenarik Boujikian, Antonio Gomes Moreira Maués, Vera Lúcia Santana Araújo, Marcelo Andrade Cattoni de Oliveira, Gisele Guimarães Cittadino, Geraldo Prado, Weida Zancaner Bandeira de Mello, Fabio Roberto Gaspar e Marco Aurélio de Carvalho.

Procurado pela reportagem, a defesa de Moro ainda não se pronunciou.

Pra quem estava muito preocupado com a biografia, Moro conseguiu destruir a própria.

Com informações do site r7

Por: Richard Corrêa

O SUCESSO DO GOVERNO GLADSON CAMELI

Governador Gladson Cameli e o senador Marcio Bittar

Desde a posse do Governador Gladson Cameli que defendo sua administração. O principal motivo porque defendo o governo é a  institucionalizou da liberdade. Respira-se, hoje,  no Acre,  as garantias fundamentais contidas na Constituição Federal. Por isso já merece nossos aplausos e apoio.

Mesmo quando se fazia críticas ao governo, em razão da ocupação dos cargos de confiança por integrantes do governo anterior, eu continuava dando meu voto de confiança à atual administração, pelos motivos acima mencionados. A liberdade gera prosperidade, diz a doutrina liberal.

Com o início da pandemia do coronavirus, o governo Gladson Cameli se fortaleceu. A atuação do Governador está sendo bem avaliada. Há este reconhecimento por parte da população.  Continuo apoiando o governador Gladson Cameli. Apoiei quando sofria críticas e continuo apoiando quando está sendo aplaudido.

Pois bem. Filiei-me à posição do Presidente Bolsonaro desde o princípio. Tese também defendida pelo deputado federal e médico Osmar Terra. Em que consiste a tese? O presidente e o médico entendem que se faz necessário o isolamento social apenas do grupo de risco. As pessoas não integrantes desse grupo, devem se submeter a testes, tomar os devidos cuidados, mas, não pararem de exercer as suas atividades. A pandemia tem um ciclo que não se interrompe pelo confinamento. Pode até aumentar a contaminação. Não se submete aos decretos de governadores.

A população do Acre aplaude o governo do Acre pelo caminho que escolheu, acreditando no confinamento radical. Já estamos em quarentena há mais de 40 dias. Mais um decreto prorrogando a quarentena até 17 maio. Estamos faltando um dia ou dois para atingirmos 60 dias de quarentena.

Ora, todo problema a ser resolvido, inclusive as enfermidades, podem  ter mais mais de uma abordagem. É como quem admira uma estátua. Precisamos olhá-la de todos os ângulos, para contemplarmos sua beleza. Se nos detivermos apenas admirando um anglo, perdemos a oportunidade de admirar o todo.

O Senador Márcio Bittar liderou uma live com minha participação, do médico Eduardo Veloso, e do especialista e deputado federal Osmar Terra. O médico defendeu a tese de que a quarentena horizontal é absolutamente inútil. Não contribui para o achatamento da curva do coronavirus, em razão de que o vírus é uma força da natureza. Tem um ciclo próprio.

Para reforçar sua tese, o médico trouxe à liça algumas experiências exitosas. Para ele o melhor exemplo é o da Coreia do Sul. País que tem 50 milhões de habitantes, sendo que 10 milhões na capital. Não fechou uma única loja. Toda a crise – que já chegou ao seu fim – foi enfrentada com a economia funcionando. Não fechou escolas. Duzentas e cinquenta pessoas, aproximadamente, morreram naquele país oriental. Melhor que não tivesse morrido ninguém.

A Suécia adotou procedimento similar. Enfrentou toda a crise sem fechar uma única escola. Sua economia funcionando normalmente. A própria OMS elogiou a Suécia pela forma como está enfrentando a epidemia viral. A Itália já está usando a hidroxicloroquina em massa, inclusive para os que tenham os sintomas da enfermidade.

Conclusão. Longe de nós estarmos querendo contestar a forma como o governo do Acre está enfrentando a pandemia. Conta com o nosso mais irrestrito apoio e solidariedade. Porém, nada obsta que suscitemos o debate, apontando outros caminhos, até para que, na hora de sairmos da crise, tenha o governo a segurança de que outras soluções são, igualmente, válidas.

Que Deus nos ajude e ao governo sair dessa crise e retomemos a vida normal,  com menos perdas materiais e humanas possível.

Que Deus abençoe o Acre e o Brasil nessa hora difícil!

Texto: Valdir Perazzo

Edição de imagem e texto: Richard Corrêa

Sergio Moro, o traidor, está preso pelo rabo, corrompido.

Moro, o menino da biografia

Primeiro foi via a mulher Rosângela Moro, uma deslumbrada, que se pôs a criar ONGs e mais ONGs e confraternizar com tubarões sem saber nadar. Uma completa sem noção, porque estas brincadeiras são caras e muitas vezes fatais em todos os sentidos.

Rosângela, esposa do menino das biografia, a ongueira deslumbrada. Será que ela já está prevendo o futuro?

2- Rosângela (a esposa do Sérgio Moro) abriu umas contas offshore e absorveu um dinheirão (luvas/propina/mesmo) pago pelos eficientes advogados da Odebrecht, os que negociaram a delação premiada da Lava Jato, com grande desconto nas indenizações (sim, assim de feio).

3- Vem a VazaJato, o telefone do Sérgio Moro foi hackeado pelo PSOL, e saíram umas mensagens meio comprometedoras da actuação do super-juiz, com o resto da verdade a ficar escondida na mão de Alexandre de Moraes, juiz do STF.

Me digas com quem andas e te direi quem és!!! Uma imagem fala mais que mil palavras.

4- Sérgio Moro, daí para a frente, desalinha-se com Bolsonaro. E passa a barrar o que o chefe prometeu na eleição (a agenda da bala) e a barrar investigações importantes (especialmente o caso da facada).

5- A facada, a tentativa de assassinato por Adélio Bispo, foi organizada pelo PSOL. Que deixou um bom rasto, quem o sabe é a Agência Brasileira de Inteligência ABIN (NSA Brasileira).

Os amiguinhos tucanos, o menino do stf e o menino da biografia

6- A PF, Polícia Federal, arrastou-se, não investiga os amigos do Adélio e deixou o caso ser considerado “um acto isolado” contra todas as evidências e lógica.

7- O então comandante da PF, amigo de Sérgio Moro, começa a dar sinais que não quer continuar e pede várias vezes para ser substituído no cargo.

8- Das bases da PF vêm muitas queixas de interferência e bloqueio por parte do amigo de Sérgio Moro, que amputa investigações sensíveis e manda-as para os seus amigos em Curitiba.

O menino da biografia e Rodrigo nhonho Maia, amiguinhos.

9- A LavaJato trava, não cai um único acusado do PSDB, tanto liquidou o PT, quanto não dá um passo contra o PSDB.

10- Alexandre de Moraes do STF, montou uma força policial semi privada (é ele quem gere um inquérito chamado de Fake News, onde ele é a suposta vitima, o legislador e o juiz). Inconstitucional, mas as lei não interessa ao STF.

Os meninos brincando em Brasília

11- Sérgio Moro nomeia para assessora de comunicação do Ministério da Justiça a nora de Miriam Leitão, uma globalista, inimiga jurada de Bolsonaro.

Miriam Leitão: Bandida no passado e no presente!

12- Sérgio Moro alinha no golpe do comunavírus e assina 3 decretos inadmissíveis em democracia (A – Ordem de prisão para quem honestamente passeia na Rua, B- Libertação dos presos especialmente os chefes do PCC e do Comando Vermelho, C- Compra superfaturada de tablets para os prisioneiros terem internet). Ruptura total com a sua biografia e com o chefe.

13- Sérgio Moro aceita a saída a pedido do seu amigo da PF (depois mente sobre isto), sugere o chefe da pseudo-policia de Alexandre de Moraes, Bolsonaro recusa nomear o indicado do Abreu e avança com o nome do chefe da ABIN (os espiões).

14- Sérgio Moro demite-se, não pode continuar, está exposto. Faz umas acusações sem provas numa declaração ansiosa e junta-se ao golpe de estado em andamento.

15- Alexandre de Moraes, aprova uma liminar sem a menor base legal, para barrar a entrada do espião como novo diretor na PF.

16- O PSOL, o mesmo partido que está por detrás da VazaJato (que hackeou o telefone de Sérgio Moro) entra com um processo de Impeachment, do qual Sérgio Moro é a testemunha principal. Sérgio Moro, que tinha todas as razões para se afastar do PSOL, revela que está comprometido.

Os 16 pontos acima não são especulações, são fatos. FATOS!!!

A partir dos fatos pode-se fazer leituras. Mas isso é pedir demasiado de quem ainda está fechado em casa a obedecer à TV.

Para os outros, para as pessoas que ainda sabem ler e pensar, os fatos acima são claros e não deixam margem para outra interpretação.

Sérgio Moro foi corrompido, chegaram a ele através da mulher e agarraram-no com a VazaJato. O Moraes do STF é o novo dono de Sérgio Moro, que o telecomandou por um ano. Sérgio Moro está tão viciado que a única opção que lhe restou foi servir de fantoche do PSOL num momento em que o País está em histeria e quase ninguém a pensar, pode ser que se safe e não acabe preso.

Por: Richard Corrêa

Senador Márcio Bittar Defende a Tese  do Presidente Bolsonaro

Senador Marcio Bittar e o Presidente Jair Bolsonaro

Sob a liderança do Senador Márcio Bittar, MDB/Acre, e coordenação do seu gabinete, ontem, 1o de maio, foi realizada uma importante “live”, com a participação do deputado federal Osmar Terra, do médico e suplente de Senador Eduardo Veloso e também com a minha.

Deputado Federal e médico Osmar Terra

O objetivo da “live” foi suscitar um debate no Estado do Acre sobre a melhor forma de enfrentamento do Covid 19. Fazer com que a população entendesse as duas teses de enfrentamento da pandemia. A tese da OMS (adotada pelo governo do Acre), e a tese do Presidente Jair Bolsonaro e aprovado pelo médico e deputado federal Osmar Terra.

A tese da Organização Mundial de Saúde (OMS), que não obriga os países, e que foi adotada pelo governo do Acre, é pelo confinamento radical de toda população. A tese do Presidente da República Jair Bolsonaro, com fundamento científico, é pelo confinamento vertical, isolando apenas as pessoas do grupo de risco.

Pois bem. Dr Osmar Terra, discorreu longamento sobre os dois modelos de enfrentamento da Covid 19. Falou de sua longa experiência como médico, ex-secretário de Saúde do Rio Grande do Sul, que já esteve à frente de várias epidemias virais, inclusive da H1N1.

Para o ex-ministro Osmar Terra a imprensa e alguns políticos tem recorrido muito ao terror para assustar à população. Citou o caso do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, citando números de caixões adquiridos, covas abertas, e outras barbaridades, que não trazem, nem informação, nem esperança para a população.

Segundo Osmar Terra, o confinamento horizontal é absolutamente inútil. Causa apenas sofrimento e destrói a economia. Ele desafiou os defensores do confinamento horizontal a apontar um único caso onde esse modelo tenha dado certo.

O melhor modelo de enfrentamento ao Covid 19 foi feito pela Coreia do Sul. Não seguiu a orientação da OMS. Fez um confinamento vertical. Não fechou uma única loja. O país tem 50 milhões de habitantes. Dez milhões na capital. Foram a óbito menos de 300 pessoas. A epidemia naquele país já chegou ao fim.

As epidemias virais tem um ciclo de 12 a 13 semanas. A pandemia do Covid 19 está chegando ao fim no final de maio e início de junho. O confinamento horizontal não achará a curva como dizem seus defensores. Ao contrário, aumenta a contaminação.

Os internautas participantes da Live elogiaram muito a iniciativa do Senador acreano. Pediram novas livres sobre temas igualmente importantes. Eu mesmo sugeri que fosse feita uma com o filósofo Olavo de Carvalho, cuja obra tem ajudado a desconstruir o marxismo cultural que nos levou ao Estado de miséria cultural da nossa realidade nacional.

O médico e suplente de Senador Eduardo Veloso, que defende a tese do isolamento vertical, e que vem propondo a retomada da atividade econômica no Estado do Acre, credenciou-se como o profissional que está fazendo o contra ponto aos apóstolos do terrorismo.

O médico Eduardo Velloso e o advogado Valdir Perazzo também participaram da LIVE do senador Bittar

O Senador Márcio Bittar se projeta como um líder nacional, advogando as grandes teses do governo Bolsonaro e da salvação do Brasil.

Texto: Valdir Perazzo

Edição de imagem e texto: Richard Corrêa

PSL MULHER ACRE FAZ HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DA MULHER

Toda a ala feminina do PSL MULHER ACRE com a sua presidente, Janaína Azevedo, e o presidente do PSL ACRE Pedro Valério.

A vice presidente do PSL MULHER ACRE, Rila Freze, conversou com o Blog Foco News, para trazer essa linda homenagem que o seu partido da ala feminina, fez no dia de ontem, quinta feira(30), para as mulheres do Acre e do Brasil inteiro, que é o DIA NACIONAL DA MULHER.

A presidente do PSL MULHER ACRE, Janaína Azevedo e toda a sua competente equipe de belas e guerreiras mulheres.

Celebrado anualmente em 30 de abril no Brasil. O Dia Nacional da Mulher foi instituído em 1980, através da Lei 6.791, de 9 de junho de 1980.

A escolha da data é o dia do nascimento de Jerônima Mesquita, sendo assim uma homenagem a essa Enfermeira Brasileira que liderou o Movimento Feminino no Brasil e que colaborou na criação do Conselho Nacional das Mulheres. Além disso, Jerônima também foi fundadora do Movimento Bandeirante, cujo principal objetivo era promover a inserção da mulher na sociedade em áreas diversas.

Esta data foi criada para reforçar o desenvolvimento e reeducação social sobre os direitos que as mulheres devem ter na sociedade. Isso porque, ao longo dos anos as mulheres enfrentaram restrições nas diversas sociedades predominantemente machistas patriarcais.Assim como o Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, o Dia Nacional da Mulher também homenageia e lembra a luta das mulheres na conquista de seus direitos.

O combate ao sexismo, à misoginia e a todos os outros tipos de discriminação contra o gênero feminino é o alvo dos debates que ocorrem neste dia, seja em escolas ou em instituições, com foco na luta pela igualdade.

#DiaNacionalDaMulher #DepartamentoPSLMulherAcre #MulheresNaPolitica #RenovaRioBranco

Parabéns ao PSL MULHER ACRE e a sua presidente, Janaína Azevedo, por lembrarem desta data tão importante e significativa para a MULHER!

Por: Richard Corrêa

SENADOR MARCIO BITTAR VAI REALIZAR UMA “LIVE” COM OSMAR TERRA

Deputado Federal e médico Osmar Terra e o Senador Marcio Bittar

O Blog Foco News, conversou com o renomado advogado criminalista Dr. Valdir Perazzo sobre a “LIVE” que o Senador Marcio Bittar está promovendo com o ex-ministro da Cidadania e atual Deputado Federal Osmar Terra, sobre esse tema que vem ocasionando um verdadeiro desastre em todos os países do mundo inteiro, que é esse vírus chinês e o isolamento horizontal.

E o Dr. Perazzo confirmou para esse blog que, o Senador Márcio Bittar articulou uma “live” com o ex-ministro da “Cidadania”, deputado federal Osmar Terra, do MDB do Rio Grande do Sul, nessa próxima sexta-feira, às 18 horas, horário de Brasília, às 16 horas, horário do Acre.


E a convite do Senador Marcio Bittar, Dr. Valdir Perazzo, participará da “LIVE”. para trazer para a sociedade esse assunto tão relevante no momento, por conta da SAÚDE PÚBLICA E DA ATIVIDADE ECONÔMICA, como equilibrar esses dois pontos.

Perazzo confirmou também que o médico oftalmologista Dr. Eduardo Velloso, é outro convidado do senador Marcio Bittar que vai participar dessa importante “LIVE”.

“Defendo, como o Senador Marcio Bittar, o mesmo ponto de vista do Presidente Bolsonaro.” Valdir Perazzo

Entendemos, respaldados na tese do deputado Osmar Terra, que o confinamento deveria ser apenas vertical. Isolamento do grupo de risco e grande testagem do restante da população.

A Coreia do Sul não fez confinamento horizontal. Não destruiu seus empregos. Até agora, foram apenas três mortes naquele país. Melhor que não tivesse morrido ninguém.

“Cuidar da vida, mas cuidar também da economia para que ninguém fique sem emprego.” Finalizou Perazzo

Caros leitores, então amanhã, sexta feira 1º de Maio, em homenagem ao dia do trabalhador, às 16 horas, horário aqui do Acre temos um encontro marcado com a “LIVE” do Senador Marcio Bittar com o Deputado Osmar Terra e seus convidados

Por: Richard Corrêa